Entrevista

CEJAM 25 anos: confira a história da colaboradora Maria de Souza, ACS da UBS Santa Lúcia

No mês de maio, o CEJAM completará 25 anos e, para celebrar esta data tão especial, alguns colaboradores estão compartilhando parte de sua história. A Maria de Souza Pereira, por exemplo, é agente comunitária de saúde na UBS Santa Lúcia, na zona sul de São Paulo. Funcionária do CEJAM há 13 anos, ela conta um pouco sobre sua trajetória e as principais mudanças que presenciou desde a atuação do CEJAM na região.

Como você ingressou no CEJAM?

Uma amiga me disse que estavam recebendo currículos na igreja do Jardim Ângela, mas não sabia para o que era. Eu estava desempregada e decidi ir lá. Mas a fila estava muito grande e desisti. Quando cheguei em casa, pensei melhor e voltei lá. Preenchi a ficha e fui selecionada.

Você começou a trabalhar no CEJAM em 2002, ano em que a UBS Santa Lúcia foi inaugurada. Como foram os preparativos para aquele dia?

Não existia este prédio aqui e nós ficávamos no salão da igreja Paroquial. Quando construíram este espaço, no dia da inauguração foi uma correria total para deixar tudo bem limpo, organizado e bonito para a população.

Como a população recebeu a notícia da inauguração?

No começo a gente ia de casa em casa para cadastrar as pessoas. Muita gente não queria, pois até então ninguém sabia para o que era o cadastro. Depois que nós falávamos que era para um posto que seria inaugurado no bairro, muitos mudavam de ideia.

Quais foram as principais mudanças que ocorreram na região desde então?

Antigamente não tinha nada de saúde aqui perto. Hoje, com o CEJAM, nós temos uma Unidade próxima da população, realizamos visitas, levamos o médico na casa das pessoas, agendamos consultas, coisas que melhoraram e contribuíram muito no acesso à saúde.

O que mais te marcou em todos esses anos trabalhando no CEJAM?

A convivência com a população. Eu sempre gostei de trabalhar com pessoas e quando surgiu essa oportunidade do CEJAM eu abracei. Quando comecei a entrar na casa das pessoas e ter contato com elas pude ver de perto a realidade em que viviam. Encontrei muita gente passando fome, coisa que eu jamais imaginava que existia próximo da minha casa. Muitas vezes eu pegava comida e levava para essas pessoas. Isso me marcou muito!

Você se orgulha de trabalhar no CEJAM?

Sim! Eu nunca trabalhei tanto tempo em uma empresa só. O CEJAM me dá essa oportunidade de trabalhar com e para as pessoas, é o que eu gosto de fazer. Meu filho é jovem aprendiz na Coordenação Regional CEJAM e eu sempre digo para ele construir a carreira nesta empresa, pois ela dá oportunidade.