Saúde de Mogi das Cruzes promove capacitação sobre diabetes para profissionais

A Secretaria Municipal de Saúde promoveu nesta semana uma importante capacitação de “Educação em Saúde para Pacientes Diabéticos”. O objetivo foi fornecer informações atualizadas sobre tratamento e acompanhamento dos casos de diabetes para médicos e enfermeiros da Rede Básica de Saúde.

Quarenta profissionais participaram do encontro, que contou com a presença da enfermeira Maria Julia Kenj, coordenadora do Departamento de Enfermagem da Sociedade Brasileira de Diabetes e representante da América Latina na American Association of Diabetes Educators (AADE), entre outras entidades e atribuições.

“Tivemos o privilégio de conhecer novas estratégias e conceitos trazidos por uma profissional extremamente capacitada e especializado no assunto. A diabetes é uma doença cada vez mais frequente e que exige atenção por parte de todos”, explica a enfermeira Cice Strelec, coordenadora do Programa Hiperdia e Controle em Casa.

O diabetes é uma doença crônica, de caráter permanente, caracterizada pelo mau funcionamento do pâncreas, que reduz ou para de produzir insulina, o hormônio responsável pela queima de glicose, substância presente nos alimentos. Cada vez mais frequente em todo o mundo, o diabetes pode ser causado por diversos fatores como hereditariedade, predisposição familiar, obesidade, gravidez e outros fatores relacionados com a idade.

O diabetes tipo 1 pode surgir logo no início da vida ou se manifestar até o início da fase adulta e a sua principal característica é a total incapacidade do pâncreas em produzir a insulina, o que torna o paciente dependente, necessitando tomar insulina todos os dias. O tipo 2 ocorre normalmente na idade adulta e, na maioria das vezes, o pâncreas ainda mantém uma capacidade, embora reduzida, de produzir a insulina.

Quando a doença se instala no organismo, as pessoas podem apresentar sintomas como perda ou aumento de peso, fadiga, sede e fome exagerada, vontade de urinar com frequência, desânimo, câimbras, tremores, visão embaçada e dificuldade de cicatrização. Se a doença não é diagnosticada, tratada e controlada, podem ocorrer sérias complicações, tais como: perda da função renal, perda da visão, amputações e problemas cardiovasculares.


Data de Publicação: 02/10/2017

Fonte: Comunicação Prefeitura de Mogi das Cruzes