Seu email foi confirmado com sucesso!

Para ativar a senha de seu email, favor abrir um chamado no CAS informando a chave #.
Em alguns segundos, você será direcionado para a criação de sua assinatura digital.

X

Sua assinatura digital foi criada com sucesso!

Lhe foi enviado um email com a sua assinatura, juntamente com as instruções para a sua utilização.

Entrevista: médico fala sobre a atuação da Estratégia Saúde da Família na região da UBS Jd Magdalena

Dr. Rafael Soares é médico formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (Unirio) desde 2014 e agora cursa pós-graduação em Estratégia e Saúde da Família pela UNIFESP. Confira entrevista realizada com o médico generalista, que fala sobre a atuação da Estratégia Saúde da Família no território da UBS Jardim Magdalena, na zona Sul de São Paulo, à qual teve acesso por meio do PROVAB, programa de valorização da atenção básica.

Qual o papel da Estratégia Saúde da Família?
Dr. Rafael - O objetivo da ESF é prevenir a doença e manter o paciente saudável, colhendo exames a fim de evitar casos de hipertensão e diabetes mal controladas, epidemias, além de mamografia para prevenção de câncer de mama, câncer próstata, etc. A ESF é um serviço de alta complexidade, pois não atende apenas clínica médica. Aqui, por exemplo, atendemos pediatria, poericultura, gestantes que estão na fase do pré-natal, geriatria, entre outros.

E quais são as principais atribuições de cada profissional na ESF?
O grupo é composto por seis agentes comunitários de saúde (ACS), que são a porta de entrada dos usuários. Eles visitam o território, verificam o ambiente familiar e dão orientações importantes sobre medicamentos, exames, prevenção e consultas. O enfermeiro é o chefe do grupo e exerce um papel fundamental não apenas no atendimento e na triagem, mas também na organização da equipe. O médico e os auxiliares de enfermagem compõem o restante do grupo, realizando as visitas domiciliares com os outros profissionais.

E em qual momento o senhor realiza essas visitas?
Sempre às sextas-feiras pela manhã, acompanhado por um auxiliar. Algumas pessoas não podem se deslocar até a unidade, como idosos, pessoas acamadas ou com alguma amputação, etc, e nessa visita realizamos uma consulta na residência do usuário, onde colhemos exame sanguíneo, urinário e de fezes, por exemplo.

Se necessário, pode haver a presença de um especialista?
Sim. Nós trabalhamos em parceria com o NASF, um grupo multiprofissional formado por um psicólogo, uma fonoaudióloga, terapeuta ocupacional, nutricionista, fisioterapeuta e uma psiquiatra. Certa vez tive que contatar esses profissionais para irem a uma residência passar um exercício fisioterápico e fazer acompanhamento psicológico para uma jovem que havia se acidentado e estava entrando em um quadro de depressão e ansiedade.

Em média, quantos atendimentos a equipe realiza e quais são as maiores queixas dos usuários?
Realizamos cerca de 420 atendimentos por mês. Entre as maiores queixas estão má adesão a doenças crônicas, artralgia, ciatalgia, problemas comuns relacionados à gestação, amamentação, entre outros.

Qual tem sido o retorno da população em relação ao serviço?
Por um tempo muita gente via o médico da ESF como um burocrata que simplesmente solicitava exames e realizava encaminhamento. Diversas vezes pacientes diziam “Doutor, preciso de um encaminhamento para ir ao ginecologista, preciso fazer um check up”. Com o tempo, fomos trabalhando a fim de que essa paciente entendesse que ela não precisava de um ginecologista, mas de um médico, que estava bem ali na sua frente. Assim, ao invés de sair angustiado, o paciente passa a se sentir acolhido e entende que o médico da unidade o acompanha como um todo. Ele diz “ele olhou para mim, não passou apenas um remédio”.

Podemos dizer que a ESF tem gerado bons resultados?
Acho que é um ganho bilateral médico-paciente. Para o paciente por criar esse vínculo ter confiança no profissional. Quando se cria vínculo, a gente consegue sanar os problemas de forma mais fácil. Quando você realiza um tratamento onde você entende, confia e acredita, os resultados são muito melhores.


Data de Publicação: 16/03/2016

Fonte: Felipe Nascimento - Assessoria de Imprensa CEJAM