Seu email foi confirmado com sucesso!

Para ativar a senha de seu email, favor abrir um chamado no CAS informando a chave #.
Em alguns segundos, você será direcionado para a criação de sua assinatura digital.

X

Sua assinatura digital foi criada com sucesso!

Lhe foi enviado um email com a sua assinatura, juntamente com as instruções para a sua utilização.

Vacina brasileira contra o dengue será experimentada

Uma vacina desenvolvida no Brasil contra a dengue será experimentada em 300 voluntários durante os próximos cinco anos para analisar eficácia e segurança, informou neste sábado (17) o Ministério da Saúde, que investiu R$ 200 milhões no projeto. ""Se a vacina for aprovada em todos os períodos do estudo clínico (com humanos) poderá ser comercializada e distribuída à  população. A perspectiva do governo em caso de sucesso em todas etapas é atender a demanda global e exportar a vacina"", segundo o comunicado divulgado pelo Ministério. O início dos testes em humanos foi autorizado ontem pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A vacina, aprovada em laboratório e com animais, foi desenvolvida pelo Instituto Butantã, e é tetravalente, capaz de prevenir a população contra os quatro tipos de dengue. A vacina já teve resultados bem-sucedidos em provas de segurança realizadas com 20 voluntários nos Estados Unidos, que participam da pesquisa através de uma de suas agências estatais de saúde. Os pesquisadores do Instituto Butantã começaram a trabalhar na vacina em 2006. Foi montado um laboratório piloto especial e criado um banco de células e de vírus dos quatro tipos da doença. Os experimentos com humanos serão realizados por três centros de estudos médicos de São Paulo, vinculados à  Faculdade de Medicina da USP: o Instituto Central, o Instituto da Infância e o Hospital das Clínicas. ""O avanço da pesquisa de um laboratório público reforça o compromisso do país com o combate ao dengue"", disse o ministro brasileiro de Saúde, Alexandre Padilha. O ministro destacou o caráter vanguardista do projeto imunobiológico desenvolvido pelo Butantã já que até agora não foi produzida uma vacina contra a dengue em nenhum país, apesar de vários grupos de pesquisadores já terem imunizantes em fase de testes. Segundo o Ministério da Saúde, o estudo terapêutico piloto tem por objetivo verificar a segurança do princípio ativo e a bioequivalência de diferentes formulações do produto. As provas são realizadas em um número limitado de pessoas e registram as respostas dos organismos dos voluntários a diferentes doses administradas.""A partir dos resultados desta fase, o estudo poderá ser ampliado a um público maior e em longa escala, na fase três do estudo clínico"", explicou o Ministério. Além do Instituto Butantã, o Instituto de Tecnologia de Imunobiológicos (Biomanguinhos), vinculado ao Ministério da Saúde, estuda desde 2009 uma nova vacina contra a dengue desenvolvida em parceria com o laboratório privado GSK. Como ainda não existe vacina contra a dengue, a única ferramenta disponível até agora para prevenir a doença é a eliminação dos focos de reprodução do mosquito Aedes aegypti, que transmite o vírus responsável da doença.

Data de Publicação: 19/08/2013

Fonte: EFE