Seu email foi confirmado com sucesso!

Para ativar a senha de seu email, favor abrir um chamado no CAS informando a chave #.
Em alguns segundos, você será direcionado para a criação de sua assinatura digital.

X

Sua assinatura digital foi criada com sucesso!

Lhe foi enviado um email com a sua assinatura, juntamente com as instruções para a sua utilização.

Estágio em Atenção Básica e Estratégia Saúde da Família: integração aconteceu na sede do CEJAM

Cursando o último semestre do curso de medicina na Faculdade São Camilo, Suemy Matos, 25, terá agora a oportunidade que não teve no local em que estuda: vivenciar de perto a rotina de médicos em unidades básicas de saúde com a Estratégia Saúde da Família (ESF). Junto com mais 10 estudantes de medicina, ela integra agora o Programa de Estágio em Atenção Básica à Saúde, oferecido pelo CEJAM.

“Com esse estágio, espero aprender mais sobre a atenção básica à saúde, porque na faculdade a gente acaba ‘pecando’ muito nesse sentido. Falta uma vivência que, com essa oportunidade, vou poder suprir e me tornar uma profissional melhor”, conta Suemy, que realizará o estágio na UBS Jd. Comercial, no subdistrito do Capão Redondo.

O programa de estágio tem o modelo de “internato” e dura 38 dias, nos quais os estudantes atuam em unidades de saúde por 40 horas semanais, sempre com a supervisão de um médico especialista. Nesta segunda-feira (07/01), foi realizada a integração com os 11 participantes na sede do CEJAM, marcando o início dessa edição.

“Nossa expectativa com esse programa de internato é que os alunos tenham contato com o dia a dia do trabalho dos médicos dentro das UBSs, para que eles se preparem cada vez mais e estejam prontos para atuar nas unidades do SUS de atenção básica à saúde”, comenta Pedro Luiz S., médico RT do CEJAM e um dos organizadores do programa de estágio.

Segundo informações da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a Estratégia Saúde da Família (ESF) busca “promover a qualidade de vida da população brasileira e intervir nos fatores que colocam a saúde em risco, como falta de atividade física, má alimentação e o uso de tabaco”, por meio da aproximação com o paciente e do acompanhamento periódico com o mesmo.

Apesar de apenas 2% dos médicos brasileiros possuírem especialidade em medicina da família, o modelo vem ganhando mais espaço a cada dia, tanto na rede pública de saúde quanto na particular, que começa a investir gradualmente nesse tipo de estratégia. A ESF promove a prevenção de diversas doenças e resulta em diminuição de custos ao sistema de saúde como um todo e, ainda de acordo com a SMS, pode resolver até 80% dos problemas de saúde da população local.


Data de Publicação: 07/01/2019

Fonte: Bianca Ribeiro/ Assessoria de Comunicação