Seu email foi confirmado com sucesso!

Para ativar a senha de seu email, favor abrir um chamado no CAS informando a chave #.
Em alguns segundos, você será direcionado para a criação de sua assinatura digital.

X

Sua assinatura digital foi criada com sucesso!

Lhe foi enviado um email com a sua assinatura, juntamente com as instruções para a sua utilização.

A cada cinco minutos uma pessoa é vítima de derrame no Brasil

 

No último sábado, ONGs e instituições de saúde chamam a atenção para o Dia Mundial de Combate ao AVC (Acidente Vascular Cerebral), popularmente conhecido como derrame. A data foi criada pela Organização Mundial de AVC com o objetivo de engajar os profissionais de saúde e o público na luta contra a doença.

No Brasil, o AVC é a primeira causa de morte e incapacidade. De acordo a Sociedade Brasileira de Neurologia (SBN), a cada cinco minutos uma pessoa é vítima de AVC, o que contabiliza cerca de 100 mil mortes ao ano em decorrência da doença no país.

O tema "Um em cada seis" foi escolhido pela Organização Mundial de AVC (World Stroke Organization) para destacar o fato de que a cada seis segundos, independente da idade ou sexo, alguém, em algum lugar do mundo, morre por AVC. Mas a doença que pode ser prevenida e o atendimento rápido e adequado ajudam na recuperação e na qualidade de vida do paciente que sofre um derrame.

Sobre o AVC

O acidente vascular cerebral (AVC) ocorre quando as artérias que irrigam o cérebro sofrem uma obstrução ou uma ruptura, provocando a morte do tecido cerebral. Existem dois tipos de acidentes vasculares cerebrais: o isquêmico e o hemorrágico.

O AVC isquêmico ocorre devido à obstrução de uma artéria. Nesse caso, as células do cérebro, privadas do fornecimento de sangue, não recebem oxigênio suficiente e nem glicose, o que pode provocar a morte desse tecido. O AVC isquêmico é como um infarto na cabeça e pode ser causado por Fibrilação Atrial (FA), um tipo de arritmia cardíaca.

O AVC hemorrágico consiste em uma hemorragia no cérebro. Neste tipo de acidente, ocorre uma ruptura de um vaso sanguíneo, afetando o fluxo normal e permitindo que o sangue se espalhe pelo tecido cerebral. O sangue entra em contato direto com o tecido cerebral e o irrita, podendo causar cicatrizes que podem acarretar, posteriormente, convulsões.


Data de Publicação: 31/10/2011

Fonte: UOL Ciência e Saúde