Aguarde...

Portal da Transparência COVID-19 - Clique aqui e confira

Saúde

Saúde

31 de Outubro de 2023

AVC: como combater esse inimigo silencioso?

Imagine precisar lutar com alguém que você nem sequer consegue enxergar ou identificar a sua chegada. Parece difícil, não é mesmo? Mas é exatamente dessa forma que muitas pessoas vivenciam um Acidente Vascular Cerebral (AVC), que recebeu até uma data (29/10) para alertar a população sobre a gravidade do problema.

Essa desordem vascular faz com que os vasos que transportam sangue para o cérebro sejam obstruídos ou se rompam por algum motivo. E, como consequência, a falta da circulação sanguínea na região faz com que a vítima sofra sérios danos em suas células cerebrais, de maneira súbita.

“Existem dois tipos de AVC. O isquêmico é o mais comum e representa 85% dos casos. Ele ocorre quando há obstrução do vaso, impedindo o fluxo sanguíneo e, consequentemente, a chegada de oxigênio ao tecido cerebral. Essa obstrução, geralmente, pode ser causada por trombos que se formam na superfície do vaso, ou por êmbolos, que se soltam de outros locais do corpo e se instalam nos vasos, impedindo a passagem do sangue”, explica a Dra. Pilar Tavares, neurologista no Centro Especializado em Reabilitação (CER) IV M'Boi Mirim, gerenciado pelo CEJAM em parceria com a Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo.

Já o AVC hemorrágico, segundo a médica, ocorre quando o vaso se rompe, causando sangramento, que pode acontecer tanto dentro do tecido cerebral como na superfície do cérebro.

Desde 2013, as internações pelo quadro cresceram quase 40% no Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde. Hoje, a doença ocupa o posto de uma das principais causas de morte no país e no mundo.

“Esse aumento no número de casos está diretamente relacionado aos maus hábitos de vida da população, que interferem diretamente no bom funcionamento do sistema circulatório. Fatores como alimentação inadequada, sedentarismo, tabagismo, uso de álcool e outras drogas, problemas no sono e alta taxa de estresse afetam a saúde das pessoas e podem resultar em AVC”, afirma a especialista.

Além desses fatores, existem também doenças e comorbidades que podem potencializar o aparecimento em algumas pessoas. O aumento da pressão sanguínea, colesterol, obesidade, diabetes e doenças cardíacas são algumas delas e precisam de atenção. Já condições como idade, sexo, raça e genética podem intensificar ainda mais o seu surgimento.

“Sem contar infecções, defeitos de coagulação sanguínea e alguns traumas, que também são causas comuns para AVCs, principalmente na população jovem”, reforça a Dra. Pilar.

Estudo realizado pela Organização Mundial do AVC, publicado recentemente no periódico científico Lancet Neurology, estima um aumento de 50% no número de mortes por Acidente Vascular Cerebral no mundo, chegando a quase 10 milhões até 2050, caso ações de monitoramento e prevenção não sejam aprimoradas.

"Pensando na necessidade urgente de identificação e tratamento, o CEJAM vem investindo cada vez mais na capacitação profissional multidisciplinar, para conduzir casos clínicos dessa magnitude. Nós contamos com padronização nos atendimentos e fluxos e protocolos ágeis bem definidos, além de estarmos ampliando os serviços de hemodinâmica para aprimorar a assistência e reduzir a demanda. Também fazemos o uso da telemedicina para auxiliar na identificação rápida de sintomas e orientar o paciente. E ainda, constantemente, promovemos a divulgação de programas educativos que visam incentivar hábitos saudáveis preventivos”, destaca a médica.

Para prevenir o quadro, de forma geral, a neurologista enfatiza a necessidade de praticar exercícios físicos, evitar o ganho excessivo de peso, manter uma alimentação saudável e o sono equilibrado e evitar o uso de álcool e cigarro.

Reconheça um AVC

Na maioria dos casos, o Acidente Vascular Cerebral se manifesta repentinamente, com sintomas que podem surgir em poucas horas ou até minutos antes. Por isso, reconhecer os sinais é extremamente importante para buscar assistência médica o mais rápido possível.

Confira abaixo alguns deles e atente-se:

Formigamento e Fraqueza: Sendo os sintomas mais populares, o AVC pode começar com uma sensação de formigamento que, gradualmente, pode se transformar em fraqueza. Essa fraqueza, por sua vez, costuma afetar um lado do corpo, podendo acometer a face e outros membros;

Alteração da Visão: A visão também pode ser comprometida e a pessoa pode perceber alterações na sua capacidade de enxergar. Isso pode variar de visão embaçada à perda parcial ou completa da visão em um ou ambos os olhos;

Tontura e Perda de Equilíbrio: Outro sintoma comum é a tontura súbita, que, consequentemente, pode levar à perda de equilíbrio. Com isso, a pessoa pode ter dificuldade para se manter de pé;

Confusão Mental: O AVC pode, ainda, provocar confusão mental, fazendo com que a pessoa tenha dificuldade em pensar com clareza e compreender o que está acontecendo à sua volta;

Alteração na Fala: A pessoa pode apresentar dificuldades em falar claramente, formando palavras de maneira arrastada;

Dor de Cabeça Intensa: Em alguns casos, a pessoa também pode experimentar uma dor de cabeça intensa e súbita, sem causa aparente.

É importante salientar que os sintomas podem variar de acordo com o perfil de cada um. No entanto, reconhecer os sintomas gerais, seja em si mesmo ou em outra pessoa, e procurar ajuda podem fazer toda a diferença.

Fonte: Comunicação, Marketing e Relacionamento

Saúde

Compartilhe essa notícia

SEDE CEJAM

Rua Dr. Lund,41, Liberdade, São Paulo, 01513-020
(11) 3469 - 1818

INSTITUTO CEJAM

Rua Dr. Lund, 41, Liberdade, São Paulo, 01513-020
(11) 3469 - 1818

Prevenir é viver com qualidade!