Aguarde...

Portal da Transparência COVID-19 - Clique aqui e confira

Bem Viver

Bem Viver

20 de Janeiro de 2021

Medo da pandemia não deve afastar gestantes do pré-natal, alerta especialista

O temor pela contaminação do Coronavírus, assim como o isolamento necessário gerado pela pandemia, fez com que tratamentos e acompanhamentos médicos fossem interrompidos ou prejudicados. Para as gestantes, em específico, a incerteza em relação aos impactos do vírus pode fazer com que o pré-natal não seja realizado corretamente.

De acordo com Gilberto Nagahama, ginecologista e obstetra do Centro de Estudos e Pesquisas “Dr. João Amorim” (CEJAM), muitas pacientes têm relatado receio em comparecer aos consultórios médicos e hospitais para o acompanhamento pré-natal e isso pode gerar problemas maiores às gestantes e ao bebê.

“Ao não realizar o pré-natal de forma adequada, corremos o risco de não atentarmos a possíveis problemas desenvolvidos durante a gravidez. Isso pode fazer com que a gestante chegue a uma unidade hospitalar em um estado grave, com um comprometimento importante de sua saúde ou do bebê”, explica o especialista.

O obstetra destaca que, para evitar contaminações por Covid-19, as recomendações dadas às gestantes são as mesmas direcionadas à população em geral. Ou seja, possível isolamento social, uso constante de máscaras e boa higienização pessoal e das mãos, principalmente com álcool em gel e/ou materiais de limpeza tradicionais.

Cuidados gerais

Enquanto toda a população brasileira aguarda por vacinas contra a Covid-19, não é necessário que as gestantes façam um isolamento mais rígido do que aquele recomendado a todas as outras pessoas.

Segundo Nagahama, os cuidados válidos para quem está grávida e para quem acabou de ter um filho não diferem das orientações que envolvem toda a população. Até mesmo porque os efeitos do Coronavírus entre as gestantes não são diferentes dos demais pacientes.

“Os problemas gerados pela Covid-19 durante a gravidez se igualam aos da população em geral. São problemas diversos, sendo o sistema respiratório geralmente o mais impactado. A diferença em relação à gestante é que estamos cuidando de dois pacientes ao mesmo tempo, a mãe e o feto”, complementa o médico.

Se uma gestante é diagnosticada com Covid-19, a principal preocupação fica atrelada a possíveis problemas respiratórios. Em casos mais graves, geralmente se opta pela antecipação do parto, de acordo com a situação clínica da mãe. “Em muitos casos, a própria paciente entra em trabalho de parto espontâneo, de forma prematura”, explica o médico.

“Gestantes e puérperas (aquelas que acabaram de ter um filho), especialmente nos 14 primeiros dias após o parto, compõem um grupo de risco para a ocorrência da Covid-19 em cenários mais graves. Não há ainda literatura médica ampla e comprovada em relação às razões para este cenário, mas suspeitamos que as modificações ligadas à gestação promovam um risco aumentado nesse período”, afirma.

A recomendação do Ministério da Saúde é que o pré-natal seja composto por, no mínimo, seis consultas, nas quais o profissional de saúde poderá identificar processos infecciosos, como corrimentos e infecção urinária, alteração de pressão arterial, sangramentos e doenças sexualmente transmissíveis, que são fatores de risco para a evolução de um parto prematuro.

Para evitar problemas no parto e no puerpério, a preocupação com a Covid-19 não deve ser o único foco de atenção dos futuros pais e mães. A falta de acompanhamento no pré-natal pode resultar na ausência de diagnósticos e tratamentos adequados para problemas que podem resultar no parto prematuro, bem como em outras complicações para a gestante e o bebê.

Fonte: Imprensa, Criação & Marketing

Saúde Acompanhamento Gestante Parto Seguro

Compartilhe essa notícia

SEDE CEJAM

Rua Dr. Lund,41, Liberdade, São Paulo, 01513-020
(11) 3469 - 1818

IRS Dr. Fernando Proença de Gouvêa

Rua Dr. Lund, 41, Liberdade, São Paulo, 01513-020
(11) 3469 - 1818

Prevenir é viver com qualidade!

Prevenir é viver com qualidade!