Aguarde...

Portal da Transparência COVID-19 - Clique aqui e confira

Saúde

Saúde

04 de Abril de 2022

Terapia alimentar auxilia no tratamento de autistas, proporcionando melhorias à saúde neurológica

Foto: Freepik

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) ou simplesmente autismo, como é popularmente conhecido, é uma condição de saúde geralmente identificada entre 1 ano e meio e 3 anos, caracterizada pelo déficit na comunicação social – seja ela verbal, não verbal e na própria socialização em si –, gerando inúmeras mudanças comportamentais.

Antes visto como um problema exclusivamente mental, hoje, graças à ciência, o TEA é considerado sistêmico, que acarreta diversos sintomas associados, inclusive os de trato gastrointestinal, afetando diretamente o funcionamento cerebral.

No Dia Mundial da Conscientização do Autismo, celebrado no último dia 2 de abril, a nutricionista Alice Coca, especialista em nutrição para autistas na UBS Jd. Paranapanema, gerenciada pelo CEJAM, chama a atenção às necessidades nutricionais específicas de pessoas dentro do espectro autista.

Alice destaca que a nutrição é considerada a base de todo o tratamento para o autismo. “Geralmente, quando uma criança é diagnosticada autista, é comum que sejam inseridas rapidamente em diversas terapias, entre elas psicológica, fonoaudióloga e ocupacional. Porém, quando estes pacientes não possuem um suporte nutricional adequado, eles não têm base metabólica capaz de sustentar os demais tratamentos, algo que dificulta nos resultados.”

No entanto, a especialista explica que, quando o tratamento nutricional é aplicado corretamente, estas crianças conseguem resultados mais efetivos nas demais terapias.

Alice ressalta que mais de 80% dos autistas têm problemas gastrointestinais, impactando de forma considerável em suas vidas, já que 90% da serotonina, neurotransmissor que confere sensação de bem-estar e interfere diretamente no humor, é produzida no intestino.

“Diversos estudos mostram que intervenções nutricionais são capazes de melhorar os sintomas associados ao autismo, dando o suporte neurológico à comunicação e demais comportamentos desafiadores, como irritabilidade, agressividade e sintomas regressivos, além da melhora no ciclo do sono e a síntese dos neurotransmissores.”

Terapia alimentar

A hipersensibilidade alimentar, atrelada à seletividade sensorial, afeta o estado de saúde do indivíduo dentro do espectro. O fato altera as escolhas que eles fazem dos alimentos, podendo resultar em uma baixa ingestão alimentar e menor síntese de enzimas e neurotransmissores dependentes de nutrientes, muito importantes à saúde.

A terapia alimentar é uma técnica utilizada como principal ferramenta para o solucionar o problema. Trata-se de uma abordagem que visa ressignificar a alimentação, aproximando a criança da comida, por meio de ações que geram habilidades e oferecem estímulos sensoriais, trazendo conforto e familiarização com novos sabores.

“Na UBS na qual atuo pelo CEJAM, conseguimos trabalhar com orientações que os pais e responsáveis podem replicar em casa, ou indicar para o professor aplicar no ambiente escolar, quando necessário.”

A nutricionista afirma que uma das frentes de trabalho consiste na substituição de alimentos nocivos com uso de técnicas como o Food Chaining, que introduz novas opções, capazes de favorecer a aceitação e ampliação do repertório alimentar da criança.

Conforme Alice, o método consiste em adicionar, gradativamente, uma nova gama de alimentos anteriormente rejeitados por meio de estratégias que modificam textura, aparência, temperatura, sabor e odor do alimento.

“Por exemplo, uma criança que só aceita comer nuggets, que são artificiais e cheios de conservantes. Por meio das técnicas, gradativamente, os substituímos por frango frito, para posteriormente tentar incluir em sua alimentação um filé de frango grelhado, muito mais saudável”, explica.

Benefícios

As intervenções nutricionais trazem benefícios com relação ao suporte neurológico, para que o paciente avance nas demais terapias, melhorando sintomas gastrointestinais encontrados em mais da metade dos pacientes dentro do espectro.

“O fato proporciona um melhor suporte nutricional para aguentarem os medicamentos prescritos, quando necessário, obtendo melhor efeito, uma vez que as vias neurológicas dependem de nutrientes. Além disso, a intervenção nutricional também aumenta a gama de alimentos ingeridos e controla a compulsão alimentar.”

A nutricionista encerra destacando que nenhuma terapia faz efeito sozinha. “É necessário, além do suporte nutricional, que o paciente tenha acesso à a toda equipe multiprofissional, que dê suporte, não só ao paciente, mas também aos familiares. Eles também precisam ser orientados, não só com relação à saúde, mas também acerca dos direitos e especificidades que esse indivíduo tem como autista.”

Fonte: Imprensa, Criação & Marketing

Nutricionista Nutrição pessoa com deficiência

Compartilhe essa notícia

SEDE CEJAM

Rua Dr. Lund,41, Liberdade, São Paulo, 01513-020
(11) 3469 - 1818

IRS Dr. Fernando Proença de Gouvêa

Rua Dr. Lund, 41, Liberdade, São Paulo, 01513-020
(11) 3469 - 1818

Prevenir é viver com qualidade!