Aguarde...

Portal da Transparência COVID-19 - Clique aqui e confira

Saúde

Saúde

29 de Março de 2021

Diagnóstico precoce e tratamento adequado são essenciais no combate à tuberculose

O Dia Mundial da Tuberculose, em 24 de março, reforça a conscientização para uma das doenças mais antigas do mundo, mas que ainda mata cerca de um milhão de pessoas anualmente em todo o mundo. No Brasil, cerca de 5 mil perdem a vida em razão da doença todos os anos, segundo dados do Ministério da Saúde. São índices graves, especialmente quando se trata de uma doença curável em praticamente todos os casos, desde que o tratamento seja feito corretamente.

De acordo com João Paulo Monteiro Freitas, enfermeiro de interlocução de Vigilância do CEJAM, neste momento, a campanha também reforça o cuidado das pessoas com Covid-19, já que alguns sintomas podem ser iguais.

“Assim como a tuberculose, a Covid-19, geralmente, afeta os pulmões. Nas duas doenças, o paciente também pode apresentar tosse e febre. É provável que pessoas com alguma condição nos pulmões, como os pacientes com tuberculose ou com sistema imunológico debilitado, possam sofrer formas mais graves de Covid-19, se infectadas”, explica o enfermeiro, ressaltando que ainda não há dados conclusivos sobre pacientes com tuberculose infectados pelo Coronavírus.

“Além disso, muitos pacientes com tuberculose vivem em áreas densamente povoadas e essa proximidade aumenta ainda mais o risco de contrair Covid-19”, completa.

Outros sintomas comuns em paciente com tuberculose são: tosse seca ou com secreção por mais de três semanas, cansaço excessivo, suor noturno, falta de apetite, emagrecimento acentuado e rouquidão. Há casos, no entanto, de pacientes que não exibem sinais da doença de imediato ou apresentam sintomas mais leves, o que pode confundir e retardar o diagnóstico correto.

Transmissão e Tratamento

A transmissão da tuberculose é direta, de pessoa a pessoa. Ao falar, espirrar ou tossir, o paciente expele pequenas gotículas de saliva que podem ser aspiradas por outra pessoa. João Paulo frisa que, após o diagnóstico, o paciente deve ser afastado de suas atividades até que inicie o tratamento e apresente exame de escarro negativo.

Segundo o Ministério da Saúde, cada paciente com tuberculose pulmonar sem tratamento pode infectar, em média, de 10 a 15 pessoas por ano.

“Neste período de tratamento, recomenda-se a utilização de máscara e organizar o ambiente onde resida para permitir melhor ventilação e entrada de luz solar. O acompanhamento clínico deve ser realizado mensalmente, visando à identificação de queixas, sinais e sintomas que indicam a evolução e/ou regressão da doença após o início do tratamento, o monitoramento do peso para eventuais ajustes posológicos das medicações e a ocorrência de reações adversas para o adequado manejo. Recomenda-se ainda a solicitação de funções hepática e renal e glicemia de jejum ao início do tratamento”, explica.

É importante lembrar que todos os serviços de saúde pública dispõem de exames para a realização do diagnóstico da tuberculose. Dessa forma, pessoas que apresentam tosse persistente por mais de duas semanas já devem procurar uma Unidade Básica de Saúde para a investigação.

“A tuberculose é uma doença que tem cura e é tratada exclusivamente pelo SUS. É muito importante realizar todo o tratamento durante os seis meses, evitando abandonos e casos recidivos no futuro. O principal fator de risco é a coinfecção com o vírus HIV”, afirma o enfermeiro.

O tratamento contra a tuberculose é padronizado e compreende duas fases, de acordo com as recomendações do Ministério da Saúde:

- Fase Intensiva (ou de ataque): tem duração de dois meses, mas pode ser prorrogada de acordo com o total de medicações aplicadas e com resultados de exames de acompanhamento. Tem o objetivo de reduzir e eliminar rapidamente os bacilos da tuberculose. Uma consequência desta rápida redução bacilar é a diminuição da contagiosidade. Para isso, são associados medicamentos com alto poder bactericida.

- Fase de manutenção: tem duração de quatro meses, mas também pode ser prorrogada de acordo com a evolução do tratamento. Tem o objetivo de eliminar os bacilos latentes ou persistentes, não eliminados na primeira fase, reduzindo a possibilidade de o paciente ter a doença novamente, de maneira recidiva.

Para finalizar, João Paulo alerta que muitos pacientes ainda abandonam o tratamento antes de sua conclusão por fatores como alcoolismo, uso de drogas, eventos adversos às medicações e melhora do quadro após o início do processo de recuperação. “O prejuízo ao se interromper o tratamento é criar resistência aos antibióticos utilizados”, conclui.

Fonte: Imprensa, Criação & Marketing

COVID-19 Saúde Acompanhamento Tuberculose

Compartilhe essa notícia

SEDE CEJAM

Rua Dr. Lund,41, Liberdade, São Paulo, 01513-020
(11) 3469 - 1818

IRS Dr. Fernando Proença de Gouvêa

Rua Dr. Lund, 41, Liberdade, São Paulo, 01513-020
(11) 3469 - 1818

Prevenir é viver com qualidade!

Prevenir é viver com qualidade!